NOT√ćCIAS

social business: pense além do Facebook!

social business: pense além do Facebook!

by 26 de janeiro de 2015 0 comments

Que tal conversar e fomentar neg√≥cios com uma comunidade engajada em um tema, ou perfil bem espec√≠fico, e que se encaixa sob medida no modelo de neg√≥cios da sua empresa, produtos e servi√ßos? √Č o que prometem as redes sociais de nicho, que j√° somam diversos casos de sucesso no Brasil, batizadas por aqui de ‚Äúnichadas‚ÄĚ.

Elas prometem uma conex√£o mais org√Ęnica e din√Ęmica entre empresas e anunciantes¬†com seu p√ļblico-alvo, muito al√©m das fronteiras do Facebook. Os investimentos no Brasil se multiplicam ao mesmo tempo em que o n√ļmero de usu√°rios cresce. A Passei Direto, voltada a estudantes universit√°rios, por exemplo, fechou 2014 com 3 milh√Ķes de usu√°rios ‚Äď metade dos alunos matriculados no 3¬ļ grau.

O conceito de redes sociais de nicho n√£o √© novo, e podemos fazer uma correla√ß√£o com o pr√≥prio Facebook, que antes de ser uma rede social massificada tinha um perfil de p√ļblico em um nicho bem espec√≠fico: o de estudantes universit√°rios. Ou mesmo o seu antecessor de sucesso, o MySpace, que em seu in√≠cio (em 2003) era voltado para a divulga√ß√£o e fan page de bandas e cantores.

Bem mais recente, em 2012, o consultor Bill Tancer, da Experian, que faz pesquisas globais sobre a web, apontou que a maior tend√™ncia na internet no ano seguinte seria a prolifera√ß√£o de redes sociais de nicho, que representam o futuro do social business. Como no Brasil as coisas demoram um pouco mais para acontecer ‚Äď mesmo no mundo digital ‚Äď, podemos dizer que em 2014 vimos esse fen√īmeno ganhar ares de febre ‚Äď veja ao final do texto algumas das mais interessantes e curiosas redes sociais de nicho brasileiras.

O resultado √© que existem redes sociais de nicho ‚Äď chamadas nos Estados Unidos de niche social network ‚Äď para quase tudo. De fan√°ticos por bolos a encontros, a cultores de livros e mesmo para quem nasceu no Rio Grande do Sul ou √© conectado √† cultura ga√ļcha.

Mais que consumidores, f√£s
‚ÄúO conceito de nicho, de fra√ß√Ķes dos segmentos de p√ļblicos de massa, era uma tend√™ncia prevista. A gera√ß√£o Y ‚Äď chamada de gera√ß√£o da internet, pessoas nascidas p√≥s 1980 ‚Äď possui interesses mais fragmentados. E a web permite ‚Äúnichar‚ÄĚ com muita velocidade‚ÄĚ, aponta Fl√°vio Yukio Motonaga, consultor e s√≥cio-diretor da¬†l√≠bero+,¬†ag√™ncia de web marketing¬†paulistana.

Com uma diferen√ßa: se as redes sociais de nicho n√£o exigem que o usu√°rio fique online todo o tempo ou mesmo n√£o abrigam amigos em profus√£o, como o Facebook, elas conectam pessoas que compartilham de um mesmo interesse e s√£o extremamente ‚Äúengajadas‚ÄĚ. Ou seja, esse √© o pulo do gato: se as empresas conseguirem se comunicar com efici√™ncia, esses usu√°rios podem ser mais que consumidores, eles podem ser f√£s e defensores de uma marca ou produto.

Afinal, as social business s√£o poderosas ferramentas de marketing, permitindo a divulga√ß√£o, troca de informa√ß√Ķes e a mobiliza√ß√£o de seus usu√°rios ‚Äď como vimos na onda de protestos no Brasil em 2013 ‚Äď e servindo como um hub para fomentar neg√≥cios e conectar corpora√ß√Ķes a seus consumidores ou poss√≠veis clientes.

Para as empresas, as redes ‚Äúnichadas‚ÄĚ trazem ainda uma audi√™ncia qualificada e/ou segmentada, possibilitando o direcionamento de informa√ß√Ķes ou a√ß√Ķes para aquele p√ļblico espec√≠fico. O que permite intera√ß√Ķes muito mais focadas.

Cen√°rio brasileiro
No Brasil, o cen√°rio √© de boom no segmento de social business. Com a procura das pessoas por redes sociais, que propiciem uma identifica√ß√£o maior com seus interesses ou grupos, as social business. Algo que ficou ainda mais latente depois do grande ‚Äúcisma‚ÄĚ entre amigos e conhecidos promovido pelas elei√ß√Ķes presidenciais no Facebook.

Gabriel¬†Reynard, administrador de empresas e s√≥cio da rede social elaele, que promove conex√Ķes e relacionamentos, resume: ‚ÄúNas redes sociais comuns, existe todo o tipo de assunto, de pol√≠tica a humor, de felicidade a tristeza. Isso faz com que os usu√°rios vejam coisas que n√£o os agradam, o que os obriga a procurarem por algo mais espec√≠fico de acordo com suas prefer√™ncias. As redes sociais de nicho s√£o perfeitas, pois h√° espa√ßo para todos, pois os gostos s√£o diferentes‚ÄĚ.

Beatriz Fazolo (foto), coordenadora de Marketing da rede social Passei Direto, analisa o momento como um reflexo do perfil do internauta local. ‚ÄúO p√ļblico brasileiro motiva-se e engaja-se muito na web, com um componente emocional muito forte. Acho que as redes segmentadas v√£o trabalhar meio que em paralelo com as grandes, por√©m com mais foco. O Facebook oferece muita dispers√£o‚ÄĚ, explica.

Da prancheta à web
Mas vamos ao ponto: como criar uma rede social de nicho? A executiva da Passei Direto lembra da origem do projeto. ‚ÄúO Rodrigo (Salvador) e o Andr√© (Sim√Ķes) tinham projetos semelhantes, ambos estudantes da PUC-RJ. O Andr√© com o Tripula, tamb√©m acad√™mico, e o Rodrigo munido do objetivo de criar uma rede para conectar pessoas que prestavam o vestibular. Um amigo comum os conectou em 2012 e o projeto saiu do papel rapidamente‚ÄĚ, explica.

Como Andr√© Sim√Ķes j√° tinha a rede praticamente pronta, o pr√≥ximo passo era conseguir o dinheiro do investimento (veja mais sobre o tema no bloco Empreenda j√°!). ‚ÄúO Andr√© trabalhava no Grupo Xang√ī e pediu para sair para se dedicar ao projeto, mas eles o convidaram a incubar a Passei Direto com eles. E o Andr√© aceitou a oferta‚ÄĚ, revela Beatriz.

Em alguns casos, a g√™nese de um projeto √© a resposta para um problema. Tallis Gomes, fundador do Easy Taxi, uma rede social de nicho baseada em um aplicativo que conecta taxistas e usu√°rios, tinha um projeto de rastreamento de √īnibus, por√©m ao se deparar com a falta de t√°xis em um dia chuvoso carioca, adaptou o sistema e criou a startup.

Em linha com o regionalismo
Outra realidade √© montar algo de acordo com seus gostos pessoais. A Skoob (books, livros, ao contr√°rio) √© uma rede ‚Äúnichada‚ÄĚ em leitores e cultores de livros, criada como um hobby pelos s√≥cios Lindenberg Moreira e Viviane Lordello ainda em 2009. Em um m√™s, chegou aos 5 mil usu√°rios e, no final do ano passado, atingiu 1,8 milh√£o de participantes. ‚ÄúEm 2011, resolvemos transformar o Skoob em empresa‚ÄĚ, conta Moreira.

Outra vertente √© refletir interesses da localidade na qual a pessoa vive, como √© o caso do O La√ßador, rede social voltada para ga√ļchos, cujo nome remete a uma famosa est√°tua de Porto Alegre (RS). Criada pelo programador Jo√£o Paulo Bastos, de apenas 29 anos, no final do ano passado, a rede √© um desdobramento da p√°gina criada por ele no Facebook que chegou aos 14 mil f√£s. Algo semelhante, a rede FeiraBook √© dedicada √† cidade de Feira de Santana, na Bahia.

Com o objetivo de compartilhar assuntos e interesses locais, O Lan√ßador se assemelha muito ao Twitter, algo proposital para que as pessoas se sintam em um ambiente familiar, e traz a ideia de reunir pessoas do Facebook. Por meio de hashtags, o usu√°rio sabe quais assuntos s√£o mais comentados e o que est√° ‚Äúbombando‚ÄĚ na rede.

Um aspecto curioso, que refor√ßa a ideia regional da rede, est√° no uso de palavras do vocabul√°rio ga√ļcho para suas ferramentas. Os emoticons s√£o ‚Äúemotch√™s‚ÄĚ e o curtir virou ‚Äúachei tri‚ÄĚ, e s√£o usados √≠cones que remetem ao Internacional e ao Gr√™mio (times locais) ou mesmo ao chimarr√£o. Detalhe, s√£o aceitos cadastros de todo o Brasil. Quem entra, pode ‚Äúla√ßar‚ÄĚ novas amizades.

Curiosidades de lado, √© ineg√°vel que a hist√≥ria de sucesso das redes ‚Äúnichadas‚ÄĚ mostra uma evolu√ß√£o r√°pida. A Passei Direto come√ßou no ambiente de seus criadores, a PUC-RJ, e em alguns meses j√° estava em 40 universidades e depois em todas as institui√ß√Ķes de ensino para em apenas dois anos reunir 3 milh√Ķes de usu√°rios ‚Äď com grande influ√™ncia nas √°reas de administra√ß√£o, direito e medicina. ‚ÄúTemos 2,5 mil universidades e faculdades. O cadastro no in√≠cio era lento, mas rapidamente isso foi ajustado e a rede social ficou muito intuitiva e colaborativa‚ÄĚ, lembra Beatriz.

A evolu√ß√£o dos n√ļmeros se reflete na pr√≥pria maturidade e funcionalidade das redes. O Skoob, por exemplo, lan√ßa atualiza√ß√Ķes constantemente, como a que permite que o usu√°rio monte a sua estante virtual com os livros que leu, releu ou pretende ler. Ou ainda que escreva resenhas, monte hist√≥ricos de leitura, avalia√ß√£o de obras ou fa√ßa uma lista de desejos, e ainda converse com outros leitores por meio de grupos de discuss√£o segmentados por t√≠tulo, autor ou temas de interesse. Para 2015, a meta do Skoob √© expandir para outros pa√≠ses. Pretens√£o semelhante a da Passei Direto.

‚ÄúA ideia √© sair para outros pa√≠ses, primeiro para a Am√©rica Latina. Muitos alunos que se interessam e se conectam atualmente s√£o de outros pa√≠ses. Temos muito material de estudo em ingl√™s‚ÄĚ, admite Beatriz. Abrir a rede para outros p√ļblicos (estudantes), como os de ensino m√©dio, tamb√©m est√° na mira da coordenadora de Marketing da Passei Direto.

O ano 2015 promete ser de consolida√ß√£o do modelo das redes sociais de nicho. ‚ÄúVislumbro que as que possuem ou consigam alta popularidade v√£o come√ßar a se capitalizar‚ÄĚ, projeta Motonaga, consultor e s√≥cio-diretor da¬†ag√™ncia digital l√≠bero+. Leia mais em Empreenda J√°!.

Engajamento = negócios
Independentemente dos perfis da rede ‚Äúnichada‚ÄĚ ou mesmo dos usu√°rios ‚Äď que em alguns casos extrapola o tradicional p√ļblico dominante na web, os jovens de 18 a 35 anos ‚Äď, o engajamento de seus participantes √© algo comum. Eles n√£o est√£o ali por acaso ou de passagem, e a reten√ß√£o tende a ser alta assim como sua participa√ß√£o.

√Č um fato: o usu√°rio das ‚Äúniche networks‚ÄĚ √© ainda mais proativo que o integrante comum de redes sociais, e quanto mais de nicho √© a ferramenta, isso √© ainda mais verdadeiro. O resultado √© que as empresas podem e devem extrair dividendos importantes. Mas, cuidado, esse mesmo componente (o alto engajamento) pode tamb√©m trazer uma alta rejei√ß√£o √† marca ou ao produto se a comunica√ß√£o n√£o for adequada.

O sujeito que entra em uma social business com o perfil de nicho est√° em busca de ‚Äúrespostas‚ÄĚ para o seu interesse pessoal, garimpando pessoas com o mesmo perfil e mais informa√ß√£o sobre o tema. ‚ÄúIsso vale at√© mesmo para o WhatsApp, cada vez mais vemos grupos sendo criados l√°, e o brasileiro adora fazer parte disso. Nossa cultura mostra isso‚ÄĚ, alerta Motonaga, consultor e s√≥cio-diretor da¬†ag√™ncia digital l√≠bero+.

O especialista faz a ressalva de que a rede social gera neg√≥cios ainda de forma indireta no e-commerce ‚Äď poucas empresas est√£o efetivamente no Facebook com vendas, por exemplo. Em especial com a cria√ß√£o de fan pages ou institucionais.

Sem afastar o usu√°rio
Outro aspecto gerado pelo alto engajamento é exatamente a resistência à presença de anunciantes e empresas no ambiente da rede social. O que dificulta para o empreendedor monetizar o seu projeto.

‚ÄúOs donos das startups t√™m medo de perder o usu√°rio. Mas √© o dilema da quantidade ou da qualidade. O visitante pode ser fiel mesmo com a capitaliza√ß√£o. O importante √© gerar benef√≠cios para os usu√°rios a partir da entrada de empresas no ambiente‚ÄĚ, pondera Motonaga. Assim como √© poss√≠vel cobrar por servi√ßos agregados, como fez o LinkedIn ‚Äď rede social global para contato profissional.

A Passei Direto, por sua vez, ainda est√° estruturando mecanismos para a monetiza√ß√£o, que pode ser por meio de parcerias com empresas de educa√ß√£o ou v√≠deos premium institucionais. ‚ÄúMas a partir do momento que isso aconte√ßa, temos de fazer de forma sutil. N√£o vamos utilizar e-mail marketing, por√©m precisamos monetizar para nos manter‚ÄĚ, revela Beatriz.

Investimento corporativo
Mesmo com a pluralidade de redes sociais, de massa ou de nicho, e com a presen√ßa extensiva de usu√°rios, ainda √© comum que as corpora√ß√Ķes n√£o saibam exatamente como e aonde investir no social business. Entretanto, estar nesse ambiente √© mandat√≥rio.

Criar ou manter reputa√ß√Ķes, solidificar ou divulgar marcas, informar sobre produtos e criar ou desenvolver demandas para seus produtos e servi√ßos e fidelizar clientes est√£o entre as possibilidades para as corpora√ß√Ķes nas redes sociais. E quem largou na frente, colhe frutos direta ou indiretamente em seu business.

Mas como identificar a rede social mais adequada para o seu business? O Facebook √© a rede social vital, tanto pelo n√ļmero de usu√°rios como de oportunidades para as corpora√ß√Ķes, enquanto o microblog Twitter vem sofrendo abalos e √© lembrado pelo seu car√°ter informativo. Ou seja, para quem possui boa reputa√ß√£o √© √≥timo. J√° o LinkedIn e seu universo formado por profissionais que desejam ampliar suas conex√Ķes ou buscar novas oportunidades, pode ser interessante de acordo com o objetivo.

Esque√ßa Google Plus e Instagram! O primeiro n√£o alcan√ßou relev√Ęncia e talvez n√£o valha a pena o investimento, e o segundo ainda n√£o tem muitas possibilidades para as empresas, al√©m da mera divulga√ß√£o da marca. Mas, sem trocadilhos, essa √© a ‚Äúfotografia‚ÄĚ do momento e tudo pode mudar.

N√ļmeros evidentes
O marketing digital é uma realidade, e, nele, as redes sociais ocupam um grande espaço. O Gartner em seu estudo de 2014 revelou que entre as empresas norte-americanas, 10% de suas receitas seriam injetadas no universo digital, quatro vezes mais que os 2,5% registrados em 2012. Um cenário que ganha eco na outra ponta da mesa no Brasil.

Aqui, os internautas ficam 8h29 conectados por dia, e a maior parte do tempo nas redes sociais. E quem ainda não comprou na web faz pesquisas com amigos ou em sites sobre produtos e serviços antes da aquisição.

Investir √© mais do que necess√°rio. No entanto, como em tudo na web, √© preciso ter ferramentas que fa√ßam o acompanhamento e as m√©tricas da sua presen√ßa nas redes sociais. Veja se a rede entrega aquilo a que se prop√Ķe e traz resultados significativos, n√£o s√≥ no curto prazo, mas pelo menos em um tempo m√©dio bem estabelecido.

E onde entram as ‚Äúniche networks‚ÄĚ nesse cen√°rio? ‚ÄúAinda vejo poucas a√ß√Ķes abrindo espa√ßo para as redes sociais ‚Äúnichadas‚ÄĚ. Para quem busca quantidade, essas redes podem n√£o parecer interessantes, mas¬†para quem preza por engajamento e retorno qualitativo, esses espa√ßos s√£o minas de ouro‚ÄĚ, aponta Ana Victorazzi, editora-chefe da ag√™ncia digital Social Content.

Empreenda j√°!
Muita gente est√° investindo, mas montar uma rede social de nicho n√£o √© algo t√£o f√°cil. √Č preciso pesquisar muito, local e globalmente, entender as necessidades e interesses do p√ļblico-alvo, ver como essas pessoas se comportam dentro e fora da rede e localizar onde esse p√ļblico est√°.

Empreender √© complicado no Brasil, at√© mesmo no meio digital, as pessoas n√£o t√™m essa cultura e os investidores ainda s√£o t√≠midos em sua atua√ß√£o. Isso n√£o impede, claro, que venture capitals e investidores (os angels) comecem a auxiliar na cria√ß√£o e desenvolvimento das redes ‚Äúnichadas‚ÄĚ.

Algumas dicas ou etapas para quem deseja empreender: valide suas ideias com possíveis investidores e/ou com o seu investidor, construa um plano simples de execução com orçamentos detalhados em etapas, execute seus planos, e volte sempre ao contato com seus sócios na evolução do projeto.

Pior, ou melhor, no universo das startups digitais a busca √© por neg√≥cios que tragam mudan√ßa, mesmo sem um referencial correlato. ‚ÄúTem de ser algo inovador. Tanto √© que voc√™ tra√ßa metas, mas n√£o sabe exatamente qu√£o r√°pido elas ser√£o atingidas‚ÄĚ, completa Motonaga.

A Passei Direto passou por esse momento. ‚ÄúA ideia precisa ser pertinente e convincente. Os s√≥cios do projeto participaram de um evento de educa√ß√£o e os promotores gostaram muito, al√©m do apoio dos universit√°rios: j√° temos 400 mil artigos, trabalhos e provas que podem ser consultados e 3 milh√Ķes de usu√°rios. Isso chama a aten√ß√£o dos investidores‚ÄĚ, garante Beatriz.

Por√©m, claro, apenas uma minoria das startups consegue sobreviver. ‚Äú√Č quase uma utopia, pouca gente acerta o projeto de primeira, e isso exige muito trabalho e envolvimento. O Facebook e o Instagram s√£o brilhantes exce√ß√Ķes‚ÄĚ, finaliza Motonaga.Quadro:

Redes sociais de nicho brazucas:

Amiguinhos¬†‚Äď foco em relacionamentos e encontros amorosos.

Blive¬†‚Äď rede social na acep√ß√£o da palavra, de troca de tempo por a√ß√Ķes comunit√°rias.

elaele ‚Äď especializada em conselhos sobre relacionamento, paquera, namoro e encontros heterossexuais.

Empreendemia¬†‚Äď voltada para empreendedores.

Feirabook¬†‚Äď foco nas pessoas e assuntos da cidade de Feira de Santana (Bahia).

FashionMe ‚Äď voltado para o segmento de moda.

JuntoBox Filmes¬†‚Äď comunidade e est√ļdio de cinema que criam novos filmes.

Kigol¬†‚Äď para os amantes do Futebol.

Par Perfeito¬†‚Äď outro com foco em relacionamento entre pessoas.

Passei Direto¬†‚Äď ajuda os estudantes na busca de informa√ß√Ķes por meio de troca de conhecimento e compartilhamentos de arquivos.

Skoob¬†‚Äď para os amantes da leitura e dos livros.

SouMix¬†‚Äď para m√ļsicos, com √™nfase na cria√ß√£o de m√ļsicas colaborativas.

 

 

Acesse os outros sites da VideoPress

Portal Vida Moderna – www.vidamoderna.com.br

Radar Nacional – www.radarnacional.com.br

Nenhum Coment√°rio

Seja o Primeiro a Comentar Este Post

Nenhum Coment√°rio Ainda!

Seja o Primeiro a fazer um coment√°rio.

Deixe uma resposta

<

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *