NOTÍCIAS

Reter talentos ainda é um grande desafio, mostra pesquisa da Efix

Reter talentos ainda é um grande desafio, mostra pesquisa da Efix

by 30 de março de 2015 0 comments

Reter talentos ainda é um grande desafio, mostra pesquisa da Efix
Redação

Estudo aponta que empresas ainda têm dificuldade de manter em casa
seus melhores profissionais e de desenvolver programas de qualificação

A Efix, especializada em sistemas de gestão de talentos, realizou pesquisa em 2014 com 10 mil profissionais da área de RH para entender melhor as dificuldades das empresas em reter seus talentos. “Cerca de 48% das empresas brasileiras ainda não contam com nenhum tipo de serviço de gestão de talentos”, afirma Roberto Ventura, desenvolvedor de ferramentas de gestão da Efix.

O estudo possibilitou também refletir o caminho que o RH ainda pode percorrer para amadurecer a gestão de pessoas. No total de entrevistados, 66% planejam investimentos em ferramentas de gestão de performance para os próximos dois anos, e 75% querem investir em treinamento e desenvolvimento.

Outros
dados importantes foram identificados no levantamento como a
importância da gestão de talentos para as organizações. Cerca de 60% dos
respondentes declararam sentir a equipe mais engajada e 50% conseguiram
identificar seus principais talentos. Os participantes (49%) afirmaram
que a gestão de talentos traz uma visão mais objetiva sobre o desempenho
das equipes e 48% disseram que a média liderança tem mais facilidade em
gerir as equipes. E 30% afirmaram ter diminuído o turnover na organização.

“Um
sistema de avaliação de desempenho permite que o gestor tenha um mapa
objetivo das competências individuais e do time, e consiga traçar um
plano adequado de desenvolvimento”, afirma Ventura.

De acordo com a empresa, os dados também mostram que a gestão do desempenho é um instrumento eficaz para reter talentos e prepará-los
para voos mais altos na organização. “O problema é maior quando
empresas médias, mas com crescimento acelerado, deixam a gestão da
performance e de talentos em segundo plano. O tempo de amadurecimento e
treinamento é caro, e a rotatividade tem um impacto enorme no resultado
da empresa”, completa o executivo.

Como ter um plano
Ventura lembra que o primeiro passo é mostrar à liderança a
necessidade de um sistema de gestão de desempenho e performance, o que
ajuda a apurar quais são os reais talentos da organização de forma
objetiva.

Se o gestor de RH obtiver esse apoio, ele diz, o próximo
passo é estabelecer uma métrica objetiva de avaliação de pessoas e a
metodologia de apuração dos resultados. É importante, também, segundo
Ventura, estabelecer uma rotina de feedback, e orientar o gestor para que essa ferramenta seja um aliado no desenvolvimento do profissional, e não um entrave.

“Caso
o profissional atinja a meta, é importante que haja algum tipo de
recompensa pelo seu esforço. Caso contrário, é difícil engajar as
pessoas”, alerta.

Nenhum Comentário

Seja o Primeiro a Comentar Este Post

Nenhum Comentário Ainda!

Seja o Primeiro a fazer um comentário.

Deixe uma resposta

<

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *