NOTÍCIAS

Gigantes da internet se unem para combater terrorismo on line

Gigantes da internet se unem para combater terrorismo on line

by 6 de dezembro de 2016 0 comments

Os grupos terroristas organizados têm usado a web com maestria para divulgar mensagens e conquistar novos simpatizantes. Não é de hoje que isso ocorre, mas o futuro dessas ações de propaganda deve ficar comprometido devido à promessa de cooperação entre Facebook, Microsoft, Twitter e Google. As empresas divulgaram que buscarão juntas a criação de formas de evitar o uso de suas mídias digitais para divulgar o terrorismo.

As gigantes da Internet querem criar um banco de dados compartilhado pela indústria para identificar conteúdo terrorista, incluindo o que elas descrevem como “imagens e vídeos mais extremos e atrozes”. Várias redes sociais e serviços de mensagens devem ser melhorados e terem conteúdos e usuários eliminados.

O modelo de funcionamento deve ser semelhante ao que mostra anúncios de agrado do usuário. O conteúdo será identificado de forma especial por pessoas comuns que usam os serviços e profissionais que farão o papel de editores dessas redes. A remoção será feita pela tecnologia e algoritmos das empresas.

Com o passar do tempo, a inteligência artificial que essas companhias estão implantando de forma ampla e rápida será capaz de identificar imagens, vídeos e textos que contêm propaganda terrorista. Hoje, conteúdos com propriedade intelectual já funcionam dessa maneira, sendo identificados e eliminados para proteger direitos autorais.

Políticas internas
A parte da tecnologia está razoavelmente pronta e com melhorias previstas. O desafio das empresas será como e quando o conteúdo de propaganda terrorista será eliminado. Ele será deletado de forma rápida, mas a identificação e remoção devem variar de acordo com políticas de uso de cada companhia.

Outra dificuldade inicial será identificar o conteúdo terrorista. Algumas imagens, textos e vídeos podem ser claras quanto a essas intenções de fazer propaganda e angariar adptos. Outras podem ser muito subjetivas. As empresas esperam que a inteligência artificial consiga, com o tempo de uso, ter capacidade de fazer isso sem afetar usuários comuns com alguma censura sem critério.

O Facebook também observa que as informações pessoais não serão compartilhadas, embora não tenha dito que essa informação não será coletada para ajudar investigações de governos sobre terrorismo. As empresas continuarão a seguir suas próprias determinações sobre como lidar com esses pedidos do governo e se isso será divulgado ou não.

O objetivo maior é tornar essa base de dados disponível para outras empresas no futuro, diz o Facebook.

Acesse os outros sites da VideoPress

Portal Vida Moderna – www.vidamoderna.com.br

Radar Nacional – www.radarnacional.com.br

Nenhum Comentário

Seja o Primeiro a Comentar Este Post

Nenhum Comentário Ainda!

Seja o Primeiro a fazer um comentário.

Deixe uma resposta

<

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *