NOTÍCIAS

Falta de preparação pode levar à escassez de talentos digitais

Falta de preparação pode levar à escassez de talentos digitais

by 1 de setembro de 2016 0 comments

Embora vivamos a chamada era digital, com mudanças radicais no cotidiano das pessoas, um estudo mostra grande desconhecimento sobre os conceitos relacionados às tecnologias de informação e comunicação – TICs: pais não estimulam seus filhos a estudarem o assunto, jovens não têm interesse em aprender e as escolas e professores não estão preparados para um processo eficiente de ensino-aprendizagem.

O estudo foi desenvolvido em parceria pelo Google, Fundação Espanhola para a Ciência e a Tecnologia (FECYT, a sigla em espanhol) e a everis, multinacional de consultoria que oferece soluções de estratégia e de negócios, do Grupo NTT DATA. Intitulado “Educação em Ciências da Computação na Espanha“, o trabalho envolveu mais de dois mil alunos, professores, diretores de escolas e especialistas, com o objetivo de analisar a situação atual da educação em Ciências da Computação na Espanha, entre estudantes de seis a 16 anos. Foram identificadas as principais dificuldades no processo educacional e propostas recomendações para a introdução, expansão e a melhoria do ensino da disciplina a curto e a médio prazos.

Embora tenha foco no mercado espanhol, o documento sinaliza alguns aspectos importantes que servem de parâmetro para qualquer país, uma vez que o uso das tecnologias é global, assim como a necessidade de profissionais habilitados a desenvolvê-las. No Brasil, o mercado nacional de TI já emprega mais de 1,3 milhão de pessoas e tem pelo menos 50 mil postos abertos para profissionais qualificados, mesmo com a crise econômica. Além disso, as estimativas apontam que o número de vagas deverá chegar a 750 mil nos próximos quatro anos.

Nesse sentido, o estudo mostra um grande desconhecimento da sociedade sobre o que é e o que abrange as Ciências da Computação, o que é considerado uma das principais barreiras para entender a importância e o valor de aprender a disciplina ainda em idade precoce. Assim, na Espanha, 82% dos pais e 76% dos estudantes com idades entre 12 e 16 anos não sabem o que é abordado ou confundem o assunto com outros termos.

A presença ainda baixa da disciplina no currículo escolar é uma das causas desse desconhecimento, tanto no ensino básico quanto no secundário. Também é raro o uso de dispositivos digitais e o reconhecimento de linguagens para programas.

Motivação e desmotivação
Outro ponto destacado no relatório é o papel dos pais como potencializadores ou inibidores de vocações computacionais. Apesar de terem uma percepção positiva da formação em Ciências da Computação, 73% dos pais acreditam que ela deve ser ensinada na escola, como uma atividade extracurricular. Ainda há uma porcentagem significativa, de 32%, que não considera o ensino nesta área uma prioridade, por se tratar de um estudo complexo, o que acaba se refletindo no interesse dos alunos.

Portanto, o conhecimento e apoio dos pais se revela crucial para os estudantes se interessarem pelo estudo. Segundo o relatório, 87% dos estudantes, cujos pais têm uma boa compreensão da tecnologia, mostram-se mais interessados. Esse percentual cai para 58% quando os pais não têm o mesmo conhecimento. No caso dos alunos do ensino secundário, 63% dos inscritos no estudo das Ciências da Computação foram motivados por seus pais.

O relatório “Educação em Ciência da Computação na Espanha” mostra, ainda, o quanto a percepção da complexidade do ensino em tecnologias da informação e o interesse mudam com início da aprendizagem. Entre os estudantes de 12 a 16 anos, que estudam a disciplina, 77% querem continuar. Dessa forma, a barreira do ceticismo é superada por meio da promoção de iniciativas que facilitam a introdução do conteúdo.

A diferença de gênero também foi levantada no relatório, que apontou um menor interesse real pela educação em informática por parte das meninas, motivado em parte pelas incertezas em relação ao estudo e à proximidade com outras questões tecnológicas, ligadas a aspectos sociais.

A influência dos pais também é nítida quando se trata do ensino em Ciências da Computação de meninos e meninas. As meninas que estudam a disciplina são estimuladas pelos pais, que por sua vez dão mais apoio aos meninos. Além disso, as meninas percebem que os pais pensam que elas são mais aptas a estudarem outras disciplinas como as ligadas ao estudo de línguas e ciências sociais.

O relatório destaca que há um alto uso de dispositivos e acesso à infraestrutura para atividades na Internet e para a execução de tarefas relacionadas à aprendizagem em tecnologias da informação e comunicação. No entanto, os jovens são meros usuários de tecnologia e deixam de adquirir conhecimentos e habilidades para se aprofundarem na formação.

O documento também aponta a necessidade de se implantar um plano de melhoria na formação dos professores para ensinarem Ciências da Computação, como pré-requisito para uma integração efetiva da disciplina no currículo educacional.

Acesse os outros sites da VideoPress

Portal Vida Moderna – www.vidamoderna.com.br

Radar Nacional – www.radarnacional.com.br

Nenhum Comentário

Seja o Primeiro a Comentar Este Post

Nenhum Comentário Ainda!

Seja o Primeiro a fazer um comentário.

Deixe uma resposta

<

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *