NOT√ćCIAS

DevOps: O mesmo n√ļmero n√£o serve para todos

DevOps: O mesmo n√ļmero n√£o serve para todos

by 18 de fevereiro de 2016 0 comments

 

… implanta√ß√£o ainda mais dif√≠cil, j√° que grande parte das empresas, com suas estruturas operacionais acostumadas com um ambiente est√°vel e conservador, estava despreparada para suportar a implanta√ß√£o de ciclo r√°pido.

O DevOps, com suas plataformas, ferramentas e pr√°ticas direcionadas para a colabora√ß√£o entre TI e desenvolvimento, bem como para as metas de entrega r√°pida de aplicativos (com testes cont√≠nuos e n√£o por etapas) exige a aceita√ß√£o do desenvolvimento e implanta√ß√£o de aplica√ß√Ķes praticamente em processo cont√≠nuo.

Embora a intenção seja boa e realmente adequada à realidade digital da era mobile, ainda não se pode esperar uma adoção generalizada do conceito de DevOps, devendo-se direcioná-lo prioritariamente para tarefas específicas.

Os atuais ambientes de desenvolvimento podem ser divididos em tr√™s categorias: a categoria de baixo c√≥digo, a de desenvolvimento centrado na app e a categoria propriamente “mobile”. Entregar aplicativos nesses tr√™s ambientes envolve uma ampla gama de habilidades e ferramentas. Portanto, a abordagem e grau em que o DevOps √© utilizado deve variar tamb√©m.

Baixo-Código = Zero Ops
Em ambientes PaaS de baixo c√≥digo baseados em nuvem, o modelo DevOps pode se tornar uma esp√©cie de retaguarda. Com o fornecedor gerindo, mantendo e controlando o ambiente de desenvolvimento, o desenvolvedor cidad√£o ou o analista de neg√≥cio ficam aptos a trabalhar no desenvolvimento das interfaces gr√°ficas do usu√°rio (GUI) e em outras caracter√≠sticas e fun√ß√Ķes com baixo n√≠vel de envolvimento da TI ou setor de desenvolvimento.

Nesses ambientes, os usu√°rios avan√ßados podem facilmente promover aplica√ß√Ķes de baixo c√≥digo. A presen√ßa forte do DevOps aqui n√£o √© necess√°ria, porque neste caso n√£o existem os ambientes separados que s√£o tipicamente usados para se propagar aplicativos. Neste contexto, o analista de neg√≥cios simplesmente faz as altera√ß√Ķes que lhe pare√ßam pertinentes e as remete at√© a produ√ß√£o para que o processo se conclua.

Aqui, a TI √© melhor utilizada como “guardi√£”, envolvendo-se apenas quando necess√°rio. Tais ambientes que n√≥s chamamos de “zero ops”, ou talvez fosse at√© melhor qualific√°-lo como “menos DevOps”. Temos a√≠ uma forma de entrosamento em que os usu√°rios de neg√≥cios, TI e desenvolvimento ficam muito mais livres para se concentrar em suas √°reas estrat√©gicas e compet√™ncias essenciais, canalizando recursos de forma adequada e aumentando a produtividade atrav√©s dos seus respectivos dom√≠nios.

Desenvolvimento-Centrado = Ops Controlado
As apps mais cr√≠ticas de neg√≥cio, voltadas para altas transa√ß√Ķes de escala global s√£o as que incidem na categoria de desenvolvimento centrado (deployment centric). O objetivo do DevOps nesses ambientes de c√≥digos intensivos √© livrar os desenvolvedores de problemas de implanta√ß√£o, permitindo-lhes se concentrar em sua compet√™ncia-chave do c√≥digo escrito.

Quando bem executados, os DevOps podem efetivamente deslocar o esforço do desenvolvimento de aplicativos para a implantação, permitindo a colaboração mais estreita entre o desenvolvimento e a TI. Neste ambiente, um processo DevOps bem gerido pode tornar mais fácil para a equipe de DevOps implantar os aplicativos e gerenciar a implantação, avançando e escalando aplicativos automaticamente com regras de auto-escala baseadas na usabilidade.

√Č por isso que caracterizamos o DevOps nesses ambientes como controlled ops, significando uma colabora√ß√£o rigidamente controlada pela TI.

Móvel = Ops Estendido
Desde o desenvolvimento at√© a implanta√ß√£o, manuten√ß√£o, monitoramento e an√°lise, o termo mobile introduziu novos n√≠veis de complexidade para a entrega de aplicativos. Os desenvolvedores precisam lidar com iOS, Windows e Android, sem mencionar v√°rias vers√Ķes dentro desses ambientes. Depois, h√° o pr√≥prio ambiente de desenvolvimento – web, nativo ou h√≠brido.

E, quanto aos dispositivos, h√° ainda uma enorme variedade de telefones e tablets de v√°rias origens e diferentes gera√ß√Ķes. E, ao lado de tudo isso, existem as diversas op√ß√Ķes de implanta√ß√£o via lojas de aplicativos p√ļblicas e privadas ou diversos servi√ßos de compartilhamento de arquivos.

Finalmente, o usu√°rio final se envolve com o dispositivo de forma nunca antes imaginada, colocando a necessidade de se construir experi√™ncias de usu√°rio atraentes e responsivas como uma exig√™ncia de grande import√Ęncia.

Esse cen√°rio que comp√Ķe o ambiente √© ops estendido – um ambiente altamente colaborativo, onde o desenvolvimento, implanta√ß√£o, manuten√ß√£o, suporte e at√© os gestores, se tornam todos parte integrante do sucesso de um aplicativo.

Nas comunica√ß√Ķes m√≥veis, todos os integrantes da cadeia de intera√ß√£o precisam ter um lugar no esquema DevOps, j√° que os aplicativos m√≥veis est√£o constantemente em movimento, numa transforma√ß√£o permanente impulsionada principalmente pelo feedback do usu√°rio final. A capacidade de fazer atualiza√ß√Ķes perfeitas e mudan√ßas orientadas ao comportamento do usu√°rio em tempo recorde pode significar o sucesso ou o fracasso de um aplicativo.

As plataformas, ferramentas e colaboração que o DevOps oferece neste ambiente nunca foram tão críticas, na medida que o usuário de negócio deve estar envolvido na concepção e desenvolvimento do aplicativo, bem como na análise de como o aplicativo é usado, o que irá ditar as mudanças a seguir. Quando bem sucedido, o ops estendido entra em sintonia com os usuários de negócio, mas não os envolve no próprio processo DevOps Рque continua pertencendo à alçada da TI e do desenvolvimento.

Em Resumo
O DevOps pode ter impacto sobre todo o ciclo de entrega das aplica√ß√Ķes. Seja a partir da melhora na frequ√™ncia de implanta√ß√£o, o que pode levar √† uma disponibiliza√ß√£o mais r√°pida no mercado, ou encurtando os prazos de entrega para novas vers√Ķes com menor √≠ndice de falhas, o objetivo do DevOps √© maximizar a previsibilidade, aumentar efici√™ncia, a seguran√ßa e tornar menos custosa a manuten√ß√£o dos mais simples aplicativos m√≥veis at√© os mais complexos sistemas transacionais.

A chave para o sucesso do DevOps está em aplicar o nível certo de colaboração e empregar as ferramentas certas para garantir que o DevOps melhore a qualidade e produtividade, em vez de impedi-las ou complicá-las.

* Vice-presidente de Solu√ß√Ķes de Marketing da Progress

Acesse os outros sites da VideoPress

Portal Vida Moderna – www.vidamoderna.com.br

Radar Nacional – www.radarnacional.com.br

Pages: 1 2

Nenhum Coment√°rio

Seja o Primeiro a Comentar Este Post

Nenhum Coment√°rio Ainda!

Seja o Primeiro a fazer um coment√°rio.

Deixe uma resposta

<

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *