NOTÍCIAS

Brexit significa tecnologia mais cara para a América Latina

Brexit significa tecnologia mais cara para a América Latina

by 28 de junho de 2016 0 comments

O Reino Unido, Europa e o mundo acordou no dia 24 de junho para uma nova realidade. Com a maioria dos votos da população a favor de sair da União Europeia, a Grã-Bretanha iniciou o seu caminho para a separação.

Com a libra despencando para o menor nível em 31 anos e o mercado de ações caindo acentuadamente nesta manhã, o que está à frente? Qual é o impacto sobre as empresas e os mercados latino-americanos (LATAM)?

Brexit é susceptível de ter um mínimo de dois anos para se concretizar, com o processo de retirada do UE previsto para começar quando o artigo 50 do Tratado de Lisboa for acionado. Uma vez que a intenção de separação for formalizada, a Grã-Bretanha vai começar a negociar os termos de retirada com os estados membros da UE em questões como tarifas comerciais e da circulação de cidadãos do Reino Unido e da UE.

“Particularmente para o mercado de tecnologias de informação e comunicação da América Latina, pode haver algumas consequências a curto e médio prazo. Como resultado dos muitos investidores à procura de investimentos de qualidade, é esperado que o dólar dos EUA é valorize frente às moedas locais dos países LATAM ”, acrescenta Sebastian Menutti, Analista da Indústria de Transformação Digital da América Latina, na Frost & Sullivan. “Consequentemente, a tecnologia pode tornar-se mais cara em moeda local para empresas LATAM, impactando negativamente no mercado de TIC.”.

Esta situação também pode conter os gastos públicos em tecnologia, uma vez que os fluxos financeiros internacionais provavelmente serão mais escassos para os países LATAM.

O centro do impacto
A fim de analisar o impacto da votação do Reino Unido sobre a América Latina, em primeiro lugar, os olhares devem ser lançado sobre os laços existentes entre as duas regiões. Embora a situação varie de país para país, em termos gerais a Grã-Bretanha isoladamente não é muito elevada no ranking de destinos de exportação ou de fontes de importação para países da América Latina. O mesmo vale para o investimento. “As empresas britânicas têm uma presença significativa na região, mas é evidente que eles não têm a mesma relevância como os seus colegas dos EUA. Assim, o impacto de curto prazo do Brexit não seria tão grande’, aponta o gerente da Indústria de Transformação Digital da América Latina na Frost & Sullivan, Ignacio Perrone.

No entanto, o impacto Brexit poderia ser mais agudo considerando o geral “voar para a qualidade” dos investidores. O termo define quando o capital procura o porto mais estável e rentável. Se isso acontecer, os fluxos financeiros globais vão escolher títulos do Tesouro dos Estados Unidos ou outros investimentos de qualidade em vez dos mercados emergentes como a América Latina. “E isso significaria menos dinheiro disponível, ou a uma taxa de juro mais elevada, para uma região que ainda precisa de uma grande quantidade de recursos para ajudar no seu processo de desenvolvimento”’ explica Perrone.

Acesse os outros sites da VideoPress

Portal Vida Moderna – www.vidamoderna.com.br

Radar Nacional – www.radarnacional.com.br

Nenhum Comentário

Seja o Primeiro a Comentar Este Post

Nenhum Comentário Ainda!

Seja o Primeiro a fazer um comentário.

Deixe uma resposta

<

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *