NOTÍCIAS

Gartner diz que o futuro do Data Center está nos Softwares

by 4 de março de 2016 0 comments

Nem todas as empresas estão prontas ou devem migrar de suas plataformas tradicionais

O Gartner, Inc. aponta que, apesar de crucial e ágil em longo prazo, o Data Center definido por software (SDDC) não é a escolha certa para todas as empresas de TI atualmente.
“Os líderes de Infraestrutura e Operações (I&O) precisam entender o cenário dos negócios, os melhores casos de uso e os riscos de um SDDC,” explica Dave Russell, vice-presidente e analista do Gartner. “Devido à sua imaturidade atual, o SDDC é mais adequado para empresas visionárias com conhecimentos avançados em engenharia e arquitetura de I&O.”
Um SDDC é um Data Center no qual toda a infraestrutura é virtualizada e entregue como um “serviço”. Isto permite o aumento dos níveis de automação e a flexibilidade que irão sustentar a agilidade dos negócios através da adoção crescente de serviços em Nuvem, além de abordagens modernas de TI como DevOps1. Hoje, a maioria das empresas não está pronta para iniciar o processo de adoção e por isso devem proceder com cautela.
Entretanto, até 2020, o Gartner prevê que as capacidades programáticas de um SDDC serão consideradas um requisito para 75% das 2000 empresas globais que buscam implementar uma abordagem DevOps e um modelo de Nuvem híbrida.
“Os líderes de I&O não podem comprar um SDDC pré-fabricado de um fornecedor. Primeiro eles precisam entender porque precisam disso para o seu negócio e então implementar, orquestrar e integrar inúmeras partes, provavelmente de fornecedores diferentes.” completa Russell. Além de todo o trabalho de implementação, são necessárias novas competências e uma mudança cultural na empresa de TI para garantir que esta abordagem forneça resultados para a empresa.
O Gartner recomenda que os líderes de I&O tenham uma visão realista dos riscos e benefícios e façam planos para atenuar os principais riscos de uma falha no projeto SDDC:

Avaliação de competências e cultura
A simplesmente mudança de uma infraestrutura antiga para um conjunto de produtos definido por software é questionável quanto a geração de benefícios. Antes que uma atividade seja automatizada e um autoatendimento seja implementado, o processo, associado com o serviço de TI, precisa ser completamente repensado e otimizado. Isso pode exigir novas competências e uma cultura diferente do que atualmente está disponível dentro de certas empresas de TI. “Um processo quebrado ainda é um processo quebrado, não importa o quão bem ele seja automatizado” diz Russell. “É preciso construir as competências adequadas nas empresas, permitindo que os arquitetos de infraestrutura superior experimentem com a infraestrutura de Nuvem pública em pequenos projetos, assim como dando a oportunidade a eles de sair e aprender o que seus colegas em outras empresas e visionários estão fazendo.”

Saber a hora certa
A hora certa para mudar para um SDDC pode estar a anos de distância para a maioria das empresas, mas para muitas ela virá mais cedo do que seus preparativos permitem. “O primeiro passo é entender os conceitos fundamentais do SDDC, assim os líderes I&O poderão examinar as soluções disponíveis começando com um componente, processo ou domínio definido por software do qual podem se beneficiar. A etapa final é planejar um roteiro para a implementação completa se e quando as soluções SDDC forem adequadas”, orienta Russel.
Além disso, líderes I&O devem perceber que a tecnologia ainda é inicial. Mesmo as áreas definidas por software mais estabelecidas como networking e armazenamento ainda estão tomando forma e experimentando estágios iniciais de níveis de adoção. A implementação em fases é recomendada, uma vez que for estabelecido que as soluções no mercado fornecem funcionalidade, interoperabilidade e histórico de implementação de produção viável comprovada. “O armazenamento pode ser o ponto de partida determinante, já que os recursos muitas vezes se destacam diante das soluções tradicionais,” diz Russell.

Cuidado com o aprisionamento tecnológico
Padrões de código-fonte aberto ou uma plataforma de gestão em Nuvem podem ajudar as empresas de TI a reduzir a restrição tecnológica, mas isso não pode ser eliminado por completo. Também não existem padrões universais para as infraestruturas de Aplicações de Interface de Programação (APIs), então adotar e codificar uma API específica resulta em um grau de restrição. É vital entender as compensações no trabalho e os custos de migração ou de saída ao escolher fornecedores e tecnologias.
“É preciso reconhecer que a adoção de um SDDC significa a negociação de uma restrição em hardware por uma restrição em software. Escolha o tipo mais apropriado de forma consciente, e com todos os fatos em mão.”

Nenhum Comentário

Seja o Primeiro a Comentar Este Post

Nenhum Comentário Ainda!

Seja o Primeiro a fazer um comentário.

Deixe uma resposta

<

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *